sexta-feira, 24 de abril de 2015

Helenilson e o tiro pela culatra II

Na política, como em qualquer ramo de atividade, nem sempre as coisas seguem um rumo plausível. Até hoje muitos analistas se questionam sobre a preferência insistente do governador pelo vice Helenilson Pontes ao Senado, a ponto de botar pra escanteio o candidato natural dos tucanos, Mário Couto.

Só que o tiro, como todos vimos, saiu pela culatra. Mas será que Macaquito Simão, ao avançar na idade, herdará a mesma teimosia do seu antigo guru e padrinho político, o finado dr. Almir, insistindo em estratégias falidas?

Que teimosia? Essa de insistir em colocar HP nos mais altos posto de comando tucano.... Afinal é desconfiável a intenção, ainda que velada, de Macaquito de eleger o atual secretário de Educação como seu sucessor. Ninguém daria uma das duas principais secretarias assim de bandeja a um candidato derrotado, que nem tucano de sangue azul é. Mas Macaquito o fez, e com a carta branca que HP não se fez de rogado em usar.

CULATRA - O problema é que esqueceram de avisar a Helenilson que, se ele queria usar a Seduc como uma rampa ao palácio vizinho, devia primeiro combinar com os russos, no caso a categoria dos professores. Afinal, a queda de braço que HP está promovendo com o sindicato e sua categoria em torno de uma redução salarial absurda em nada vai ajudá-lo em seu propósito de ocupar daqui a quatro anos o tão sonhado lugar do chefe.

DICA - Ser mal falado todos os dias por mais de vinte mil professores em quase todas as salas de aula públicas do Estado incomoda qualquer um. Afinal, política não se faz apenas com uma boa pinta, fama de austeridade e apadrinhamento político do chefe. Se fizesse HP não teria terminado a eleição em quarto lugar. Tem que saber se dar bem com os de cima e com os de baixo. Fica a dica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário